Uma revolução na comunicação

19 de maio de 2019

Dizem o amor faz o mundo girar. E é verdade. Quando amamos e nos sentimos amados, tudo parece mais brilhante e melhor. Mas dizer que é apenas O amor de que todos nós precisamos não é o quadro completo - há algo mais que é essencial para uma vida feliz e realizada.

É uma necessidade que está profundamente enraizada na psique humana. As crianças anseiam por ela e os adultos precisam dela - sem ele estamos todos um pouco mais pobres.

Estou a falar de ligação.

Pergunte a qualquer pai ou mãe e eles dir-lhe-ão que, a partir do momento em que nascem, as crianças tentam estabelecer contacto. Primeiro com gritos e gorgolejos, e depois com palavras e frases. Querem conversar, contar as minúcias do seu dia; contar histórias, fazer perguntas e discutir ideias.

É através da ligação que aprendemos sobre o nosso lugar no mundo. Sentimo-nos amados. Descobrimos em que é que somos bons. Fazemos amigos. Mark Zuckerberg tornou-se uma das pessoas mais ricas do mundo ao construir uma plataforma que explora a nossa necessidade de nos ligarmos.

Mas em No nosso mundo multimédia, cheio de aplicações e dispositivos, penso que há um problema. Muitas das formas de nos relacionarmos uns com os outros não são tão satisfatórias como poderiam ser. E penso que há três razões principais para isso:

Smijado, espaço e tamanho.

Velocidade

A velocidade está incorporada nas nossas plataformas de redes sociais. Foram concebidas para nos obrigar a reagir rapidamente. Por vezes, de forma instantânea. Disparamos a partir da anca, irritamo-nos e gritamos de volta. Dizemos coisas que nunca diríamos na vida real porque não nos damos tempo para pensar, para respirar.

Escrever à mão (por outro lado) é um pouco como caminhar - é uma atividade a um ritmo humano velocidade. Dá-nos espaço para pensar, para formar as palavras. Como é lento, acabamos por pensar enquantoe escreve.

Escrever a uma velocidade humana dá-lhe tempo para formar os seus pensamentos. Para pensar sobre o que realmente queremos dizer. Como resultado, somos quase de certeza mais honestos, mais autênticos.

Espaço

Sempre achei que ler um livro é fundamentalmente mais agradável e mais envolvente do que ler as mesmas palavras num ecrã. Mas nunca fui capaz de definir exatamente o que é porquê. Isso foi até ter lido um artigo fantástico de um tipo chamado Graig Mod em Revista Offscreen (pode ler o artigo aqui) que acho que conseguiu acertar em cheio. Ele acha que tem tudo a ver com o facto de os livros terem margens.

Arestas? (O quê é este tipo está a falar?!)

Sim, arestas.

O que ele quer dizer é que quando se chega ao fim de uma página, ou ao fim de um livro, ele pára. Não há mais nada. Nada que chame imediatamente a sua atenção. Não há "próximo artigo". Não há e-mails para responder. Não há posts no FB para comentar. Simplesmente pára.

E, estranhamente, esta é uma das coisas que dá a um livro a sua imensa força. É o que torna os livros tão agradáveis.

Um livro é uma coisa por si só. Tem o seu próprio espaço. Sozinho. Lê-se, absorve-se e (se for um livro muito bom) torna-se uma parte de nós. Mas para o fazer, tem de ter espaço para fazer a sua magia. Se leres uma página e depois consultares uma publicação no FB, e depois outra página e jogares um jogo, não funciona tão bem.

E o mesmo se passa, penso eu, com a carta. No mundo digital ultra-conectado e sempre ligado de hoje, uma carta é um pequeno oásis de calma num mar de ruído. Para ser lida, apreciada, absorvida. E reler. (Quem re-lê e-mails?)

Um pouco de espaço, só para ti, escrito só para ti, por um amigo.

Tamanho

Comunicar atualmente (nas plataformas que todos utilizamos) é sobretudo difusão. Publicações no FB para todos os seus amigos. Mensagens do WhatsApp para o grupo. Mensagens no Twitter para o mundo. Todos nos tornámos pequenos emissoras. Contar todos o que andamos a fazer, o que pensamos, o que desejamos.

E, de alguma forma, ao passarmos da ligação individual para os meios de comunicação social, perdemos um pouco de nós próprios. O que poderia ser uma conversa interessante entre amigos corre o risco de se tornar uma "partilha excessiva", quando contamos sempreyum no nosso grupo.

É por isso que acreditamos na escrita de cartas. Uma carta escrita à mão é um clássico fundição estreita. Ligarmo-nos a uma pessoa especial. E é por isso que as cartas escritas à mão estão a voltar.

Na outra noite, estava a ler uma história da Segunda Guerra Mundial à minha filha e, em ele Havia uma carta que um rapaz escreveu ao seu amigo na parte da frente. Não consistia em nada para além do que ele tinha feito nesse dia. Nada de palavras bonitas. Nada de memórias partilhadas ou emoções profundas. Apenas que tinha ido ver a irmã do seu amigo e o cavalo do seu amigo, e que ambos estavam bem. E apercebi-me de que, se tivesse lido isso numa publicação no FB, pareceria muito aborrecido. Mas naquela carta, dirigida ao seu amigo, era exatamente o que ele precisava de ouvir. Era conforto e recordações para um jovem rapaz na guerra.

Essa é a diferença entre narrowcasting e broadcasting. A diferença entre um post digital para muitos e uma carta escrita à mão para um. O modo de difusão é um instrumento contundente, mas a difusão restrita funciona porque está a comunicar com apenas uma pessoa, sobre assuntos que são do interesse de ambos. Um relato de um incidente engraçado envolvendo um hamster perdido será muito divertido para um amigo que conheça o seu historial de hamsters perdidos, mas provavelmente não terá qualquer piada para alguém que não o conheça bem.

Portanto. Vai devagar. Arranja espaço. E estabeleça contactos individuais. Reencontre as alegrias da comunicação pessoal - a alegria da carta escrita à mão. E saborear os momentos que elas proporcionam.

John Morse-Brown
maio de 2019

Novos modelos em breve.

Seja o primeiro a vê-las.

Item adicionado ao carrinho.
0 itens - $0.00
pt_PTPortuguese